• search
  • Entrar — Criar Conta

Uma coisa puxa outra

Fundador de Navegos escreve sobre o hábito de escrever e de ficar fora de casa que dominou o indivíduo que trabalha para o seu sustento, repaginado pela pandemia.

*Franklin Jorge

[email protected]

Em meio a esse tremendo cavalo-de-pau, uma coisa não me passou despercebida: a pandemia mudou velhos costumes e fez-nos gostar mais de nossas casas. Aprendemos assim a nos reprogramarmos em nossos costumes e hábitos, como encontrar mais motivos para ficarmos em casa.

O ruim é que parece todos nós tivemos o mesmo desejo e pendemos em maioria para o mesmo lado, ficarmos em casa, apesar dos hábitos.

Somente notei após aposentar-me que durante grande parte de minha vida passei mais tempo fora do que dentro de casa e não o percebi. Sentia, é claro, falta de alguma coisa. De um habito. Talvez, sem que o soubesse, o hábito de ficar em casa, um lugar sem maiores atrativos além de minha cama, meu quarto e banheiro. E também às vezes em que podia, ir à cozinha sem dar satisfações; tomar um café de madrugada; um chá; um chocolate quente e às vezes, para convocar o sono, uma taça de vinho tinto, ou intentar encontrar um papel, um livro, uma conta a pagar;  verificar os suprimentos, como um bom dono de casa que fui sem dar-me conta, apesar de advertências de amigos como Camilo [Freire Barreto], que me dizia, ao visitar-me, que em vez de uma mera casa, tenho um lar; e Edilson [Alves de França], que toda vez se surpreendia com a funcionalidade de minha casa, onde lhe agrada ir. Um legado de minha avó, que pensava nos seus. por muito tempo, antes de aposentar-me e de ter meus recursos diminuídos, renovava toalhas e lençóis com frequência. Agora, já me privo de uma taça de vinho tinto, à noite, algumas horas antes de deitar-me. Uma sentinela contra a insônia. Porém não durmo sem contar meus gatinhos, como um pai amoroso faz com os filhos.

Talvez a pandemia tenha implementado hábito inverso, o de ficar em casa, após uma vida inteira longe dela, pelo menos, 16 ou 20 horas por dia. A aposentadoria, que me trouxe de volta para dentro de casa, agravou-se com a pandemia que nos fez procurar novos hábitos como uma forma de ascese.

Os cadernos de Jorge Antônio

[Fragmento de diário íntimo, inédito]

Foto Estúdio de Franklin Jorge

Pitimbu, 2022.

Política de Privacidade — Garantir a confidencialidade dos dados pessoais dos usuários é de alta importância para nós, todas as informações pessoais relativas a membros, assinantes, clientes ou visitantes que utilizam nossos sistemas serão tratadas em concordância com a Lei da Proteção de Dados Pessoais de 26 de Outubro de 1998 (Lei n.º 67/98). As informações pessoais recolhidas podem incluir nome, e-mail, telefone, endereço, data de nascimento e/ou outros. O uso de nossos sistemas pressupõe a aceitação deste Acordo de Privacidade. Reservamos o direito de alterar este acordo sem aviso prévio, por isso recomendamos que você verifique nossa política de privacidade regularmente para manter-se atualizado(a). Anúncios — Assim como outros sites, coletamos e utilizamos informações contidas em anúncios, como seu endereço de IP (Internet Protocol), seu ISP (Internet Service Provider), o navegador utilizado nas visitas a nossos sites (Chrome/Safari/Firefox), o tempo de visita e quais páginas foram visitadas. Sites de Clientes — Possuímos ligação direta com os sites de nossos clientes, os quais podem conter informações/ferramentas úteis para seus visitantes. Nossa política de privacidade não se aplica a sites de clientes, caso visite outro site a partir do nosso, deverá ler sua própria politica de privacidade. Não nos responsabilizamos pela política de privacidade ou conteúdo presente nesses sites. Para maiores informações, entre em contato conosco.