• search
  • Entrar — Criar Conta

Saber existir pela voz escrita

Navegos reproduz página de Street Orc, uma das páginas literárias criadas por Kim Nguyen Baraldi

*Fernando Pessoa

A maioria das pessoas se cansa de não saber  o que vêem ou o que pensa. Dizem que nada mais difícil do que definir uma espiral com palavras: é preciso, dizem, fazer no ar, com a mão sem literatura, o gesto, enrolado em ordem, com o qual aquela figura abstrata do docas ou de certas escadas se manifesta aos olhos. Mas, enquanto nos lembrarmos que dizer é renovar, definiremos sem dificuldade uma espiral: é um círculo que se eleva sem nunca se fechar. A maioria das pessoas, eu bem sei, não ousaria definir dessa forma, porque presumem que definir é dizer o que os outros querem dizer, não o que precisa ser dito para definir. Direi melhor: uma espiral é um círculo virtual que se desenrola subindo sem nunca se perceber. Mas não, a definição ainda é abstrata. Vou procurar o concreto,

Toda literatura consiste em um esforço para tornar a vida real. Como todos sabem, mesmo quando fazem sem saber, a vida é absolutamente irreal em sua realidade direta; os campos, as cidades, as ideias, são coisas absolutamente fictícias, filhas da nossa complexa sensação de nós mesmos. Todas as impressões são intrasmissíveis, exceto se as convertermos em literárias. As crianças são muito literárias porque dizem como se sentem e não como outra pessoa deveria se sentir. Uma criança, que uma vez ouvi, disse, querendo dizer que estava a ponto de chorar, não “Estou com vontade de chorar”, que é o que diria um adulto, isto é, um estúpido, mas isto: “Estou com vontade lágrimas. » E essa frase, absolutamente literária, a ponto de ser afetada em um poeta famoso, se ele pudesse dizê-la, Definitivamente, alude à presença quente de lágrimas rompendo as pálpebras ao sabor do líquido amargo. “Eu quero lágrimas!” Aquele garotinho definiu bem sua espiral.

Contar! Saiba como dizer! Saber existir através da voz escrita e da imagem intelectual! Tudo isso é quanto vale a vida: o resto são homens e mulheres, supostos amores e falsas vaidades, subterfúgios da digestão e do esquecimento, pessoas que se mexem, como insetos quando se levanta uma pedra, sob a grande rocha abstrata do céu azul. sem sentido.

Fernando Pessoa

(Bernardo Soares)

O Livro das Inquietações

27 de julho de 1930

Tradução: Ángel Crespo

Editorial: Seix Barral

Foto: Fernando Pessoa

Política de Privacidade — Garantir a confidencialidade dos dados pessoais dos usuários é de alta importância para nós, todas as informações pessoais relativas a membros, assinantes, clientes ou visitantes que utilizam nossos sistemas serão tratadas em concordância com a Lei da Proteção de Dados Pessoais de 26 de Outubro de 1998 (Lei n.º 67/98). As informações pessoais recolhidas podem incluir nome, e-mail, telefone, endereço, data de nascimento e/ou outros. O uso de nossos sistemas pressupõe a aceitação deste Acordo de Privacidade. Reservamos o direito de alterar este acordo sem aviso prévio, por isso recomendamos que você verifique nossa política de privacidade regularmente para manter-se atualizado(a). Anúncios — Assim como outros sites, coletamos e utilizamos informações contidas em anúncios, como seu endereço de IP (Internet Protocol), seu ISP (Internet Service Provider), o navegador utilizado nas visitas a nossos sites (Chrome/Safari/Firefox), o tempo de visita e quais páginas foram visitadas. Sites de Clientes — Possuímos ligação direta com os sites de nossos clientes, os quais podem conter informações/ferramentas úteis para seus visitantes. Nossa política de privacidade não se aplica a sites de clientes, caso visite outro site a partir do nosso, deverá ler sua própria politica de privacidade. Não nos responsabilizamos pela política de privacidade ou conteúdo presente nesses sites. Para maiores informações, entre em contato conosco.