• search
  • Entrar — Criar Conta
Colaborador de Navegos, autor da modernização editorial e gráfica do matutino Tribuna do Norte, nos anos de 1980 faz breve e esclarecedor registro da história negativa do stalinismo e do comunismo no Brasil.

*Henrique Miranda Sá

“A Democracia deve correr certos riscos, se quiser ser digna desse nome” (Osvaldo Peralva.)

A epígrafe que complementa este artigo foi tirada do livro “O Retrato” do jornalista Osvaldo Peralva, uma leitura necessária para quem quer estudar a história negativa do comunismo no Brasil que a idiotia anticomunista da “direita conservadora bolsonarista” é incapaz de alcançar com a sua real visão neonazista.

Peralva publicou em 1960 o seu esclarecedor livro sobre o stalinismo em pleno conflito político-ideológico entre os EUA e a URSS, conhecido como a “Guerra Fria”, que terminou com a queda do Muro de Berlim, em 1989, e a derrocada do sistema soviético.

A apresentação das críticas e denúncias do Jornalista, são de um observador e ativista que viveu o interior da organização comunista internacional. É uma reportagem de excelente qualidade, cujo enfeixe traz, já naquele tempo, o alerta: “A Democracia deve correr certos riscos, se quiser ser digna desse nome”.

Nos dias de hoje constatamos a importância do sobreaviso de Peralva. Assiste-se no mundo inteiro sinais do ressurgimento do nazi-fascismo e, entre nós, é revoltante se ver este fenômeno surgir no Brasil, governado por psicótico obsessivo que recebeu no palácio presidencial uma deputada neonazista alemã, neta de um ministro de Hitler.

Assisti a pouco o documentário dirigido e comentado por Joachim Fest – “Hitler, uma carreira” -, que apesar de omissões históricas e visível lenidade oferece cenas reais da ascensão do nazismo na Alemanha, das agressões militares contra as democracias, dos campos de concentração e dos 50 milhões de mortos.

Entre trechos dos discursos de Hitler, não foram mostrados censuravelmente aqueles em que ele determina a “solução final”, a morte de eslavos, judeus, ciganos e homossexuais; nem a ordem execrável para que Paris fosse incendiada.

Isto ficando claro, não sei por qual doença mental existem pessoas que aceitam e respaldam as aberrações das SS e da Gestapo, das prisões, torturas e mortes de pessoas indefesas; mas que as há, há.

Poucos dias atrás tivemos a notícia de uma jovem estudante da Universidade de Pelotas, que comemorando o seu 24º aniversário teve o “Bolo de Hitler”, com o retrato do abominável führer nazista fardado e ostentando a suástica.

A mídia informou que essa mensagem nas redes sociais foi apagada após compartilhar a intolerável mostra da simpatia ao nazismo de uma saudosista da Bund Deutscher Mädel, a “Liga das Moças Alemãs”, defensoras da morte de quem não fosse da raça superior.

A sua defesa – própria do chicanismo fascistóide – já ensaia em dizer que foi uma brincadeira para sacanear os colegas, e que a moça tem atitudes inconstantes…. Na verdade, não foi um divertimento nem uma piada o bolo festivo com o retrato oficial de Hitler em uniforme militar.

Mais do que tristeza, é criminosamente repelente a gente saber que não se trata de um caso isolado. Tivemos no Rio Grande do Sul uma demonstração inequívoca de apoio aos crimes contra a humanidade de Hitler e seus asseclas: um grupo contra o passaporte vacinal invadiu a Câmara de Vereadores de Porto Alegre que apreciava um projeto para evitar as contaminações pela covid-19.

Estes ativistas portavam cartazes com a suástica, símbolo de “identidade ariana”, xingando as vereadoras negras, Tássia Amorim e Bruna Rodrigues; eles são, sem dúvida, membros da nova Hitlerjugend, a juventude hitlerista ressurgida no Brasil para apoiar o genocídio das pessoas condenadas à morte pela política necrófila do capitão Bolsonaro.

Vê-se, dessa maneira, o retrato em grande angular do Brasil de hoje. A marcha a passo de ganso dos extremistas da direita contra a nossa Democracia, alguns deles usando a máscara de “conservador”, mas todos agindo livres e confiantes sob o comando invisível e estratégico do aprendiz de ditador Bolsonaro e sua Schutzstaffel – guarda de proteção -, formada por candidatos a guardas de campos de concentração.

FOTOS Estudante nazista, da Universidade de Pelotas, faz bolo costumizado para celebrar aniversário do genocida Hitler, autor do Holocausto que dizimou 60 milhões de judeus, ciganos e homossexuais no século passado.

Política de Privacidade — Garantir a confidencialidade dos dados pessoais dos usuários é de alta importância para nós, todas as informações pessoais relativas a membros, assinantes, clientes ou visitantes que utilizam nossos sistemas serão tratadas em concordância com a Lei da Proteção de Dados Pessoais de 26 de Outubro de 1998 (Lei n.º 67/98). As informações pessoais recolhidas podem incluir nome, e-mail, telefone, endereço, data de nascimento e/ou outros. O uso de nossos sistemas pressupõe a aceitação deste Acordo de Privacidade. Reservamos o direito de alterar este acordo sem aviso prévio, por isso recomendamos que você verifique nossa política de privacidade regularmente para manter-se atualizado(a). Anúncios — Assim como outros sites, coletamos e utilizamos informações contidas em anúncios, como seu endereço de IP (Internet Protocol), seu ISP (Internet Service Provider), o navegador utilizado nas visitas a nossos sites (Chrome/Safari/Firefox), o tempo de visita e quais páginas foram visitadas. Sites de Clientes — Possuímos ligação direta com os sites de nossos clientes, os quais podem conter informações/ferramentas úteis para seus visitantes. Nossa política de privacidade não se aplica a sites de clientes, caso visite outro site a partir do nosso, deverá ler sua própria politica de privacidade. Não nos responsabilizamos pela política de privacidade ou conteúdo presente nesses sites. Para maiores informações, entre em contato conosco.