• search
  • Entrar — Criar Conta

Proponho-me a ler os Ensaios com espanto

Prêmio Nobel polonesa, autora de Paisagem com grãos de ar, viveu grande parte de sua vida aterrorizada pela ditatura comunista. Sua extensa obra, traduzida em 42 línguas, é definida como “a perfeição da palavra”.

*Wislawa Szymborska

[email protected]

Não me lembro mais como me senti ao ler Montaigne pela primeira vez. Em todo caso, a admiração não estava entre todos eles. Aceitei como um fato natural que existia uma obra assim e continuei a falar com aquela voz viva. Que absurdo! Hoje, porém, a existência de qualquer coisa boa me enche de admiração. E, desde os Ensaios, precisamente isso, algo de bom (aliás, é uma das maiores conquistas que a alma humana conseguiu), tudo o que contém me surpreende, em particular, o amálgama excepcional de circunstâncias favoráveis ​​que possibilitaram sua escrita. Por exemplo, não demorou muito para que o menino batizado com o nome de Michel morresse logo após o nascimento. A mortalidade entre os recém-nascidos era uma ocorrência tão comum na época que eles nem se importavam em determinar qual das muitas possibilidades havia sido a causa. O que Deus dá, Deus tira, e as habilidades extraordinárias do pequenino falecido teriam se tornado um mistério não resolvido. O menino sobreviveu; No entanto, a cada minuto, a cada semana ou ano uma infinidade de doenças mortais (seriam necessárias várias páginas digitadas apenas para listar todas) ameaçavam atacá-lo. E um acidente infeliz?

O pequeno Montaigne poderia ter caído de uma árvore, de um cavalo, escada abaixo, se queimado com água fervente, sufocado por um espinho ou se afogado enquanto se banhava no rio. Aliás, esses acidentes também podem acontecer com adultos. Mas outras armadilhas aguardam o adulto, como duelos, brigas acidentais de taberna ou passar a noite em um abrigo onde alguém, por engano, iniciou um incêndio. No entanto, a principal razão pela qual podemos ter ficado sem o ser queimado por água fervente, engasgar com um espinho ou se afogar enquanto se banhava no rio. Aliás, esses acidentes também podem acontecer com adultos. Mas outras armadilhas aguardam o adulto, como duelos, brigas acidentais de taberna ou passar a noite em um abrigo onde alguém, por engano, iniciou um incêndio. No entanto, a principal razão pela qual podemos ter ficado sem o ser queimado por água fervente, engasgar com um espinho ou se afogar enquanto se banhava no rio. Aliás, esses acidentes também podem acontecer com adultos. Mas outras armadilhas aguardam o adulto, como duelos, brigas acidentais de taberna ou passar a noite em um abrigo onde alguém, por engano, iniciou um incêndio.

No entanto, a principal razão pela qual podemos ter ficado sem os Ensaios é que, naquela época, uma guerra religiosa estava acontecendo na França. Não havia lugar para uma postura de neutralidade, assim como não havia nenhum esconderijo para esperar a tempestade passar de alguma forma. A tempestade parecia não diminuir e viajava por todo o país continuamente.

Montaigne tomou partido dos católicos e até participou de algumas campanhas contra os huguenotes. No entanto, não parece que o fanatismo religioso tenha sido a razão. Sua mente crítica não se encaixava em nenhum dos lados que estavam lutando. O perigo a que ele estava se expondo não era, entretanto, menor. Pelo contrário, ele se sentiu ameaçado por ambos os lados ao mesmo tempo. Mas você não morreu apenas como resultado de suas crenças em toda aquela confusão. Vamos ver. Temos o crepúsculo do dia outonal e o sol poente. Dois cavaleiros, um viajante e seu lacaio voltam para casa por uma estrada na floresta. Eles não podem ser vistos bem, é nebuloso e escurece rapidamente.

De repente, vários tiros saem dos arbustos, ouve-se um grito, o relinchar de cavalos assustados, o estalar de galhos e os pontapés dos atacantes que fogem para as profundezas da floresta. O viajante abre os braços sobre o dorso do cavalo empinado e avança impetuoso, inerte, para o chão. Uau, que mal-entendido vergonhoso! Foi outra pessoa que teve que seguir esse caminho naquela época. Não o gentil Sr. Michel de Montaigne, que agora está agitado pelo pavoroso lacaio, tentando em vão trazê-lo de volta à vida. A vítima estava na casa dos trinta, estava perto dos quarenta e estava apenas começando a projetar sua magnum opus. Na torre de um pequeno castelo esperava por ele em uma mesa de papel em branco e um tinteiro com uma pena de ganso afiada. É até possível que as primeiras frases já enegrecem algumas dessas folhas. Como não nos maravilharmos com tudo, como As provações nasceram e foram publicados em sua forma original quando o autor ainda estava vivo? Que, acima de tudo, essa edição não foi queimada junto com a impressora? Afinal, não há nada mais fácil do que encontrar mil deslealdades em um escritor que pensa por si mesmo.

Como não nos maravilharmos que as numerosas correções que já foram feitas à obra publicada, e que fazem parte daquela edição final que hoje conhecemos como Ensaios, não tenham sido esquecidas, perdidas, roubadas ou, pelo contrário, salvas para inclusão em uma edição posterior, três anos após a morte do autor? Portanto, proponho-me a ler os Ensaios com estupor. Se o destino tivesse conseguido frustrar sua criação, provavelmente outra obra ou grupo de obras teria se tornado para nós o auge intelectual do século XVI. Não teríamos ideia de que este lugar de honra se deveu a uma simples vitória à revelia do adversário. Não há lugar no tecido heterogêneo da história para espaços em branco. Ou seja, existem, mas não há como confirmar sua existência.

Wislawa Szymborska
O Milagre dos Ensaios
Leitura não obrigatória

Imagem: Wislawa Szymborska

Política de Privacidade — Garantir a confidencialidade dos dados pessoais dos usuários é de alta importância para nós, todas as informações pessoais relativas a membros, assinantes, clientes ou visitantes que utilizam nossos sistemas serão tratadas em concordância com a Lei da Proteção de Dados Pessoais de 26 de Outubro de 1998 (Lei n.º 67/98). As informações pessoais recolhidas podem incluir nome, e-mail, telefone, endereço, data de nascimento e/ou outros. O uso de nossos sistemas pressupõe a aceitação deste Acordo de Privacidade. Reservamos o direito de alterar este acordo sem aviso prévio, por isso recomendamos que você verifique nossa política de privacidade regularmente para manter-se atualizado(a). Anúncios — Assim como outros sites, coletamos e utilizamos informações contidas em anúncios, como seu endereço de IP (Internet Protocol), seu ISP (Internet Service Provider), o navegador utilizado nas visitas a nossos sites (Chrome/Safari/Firefox), o tempo de visita e quais páginas foram visitadas. Sites de Clientes — Possuímos ligação direta com os sites de nossos clientes, os quais podem conter informações/ferramentas úteis para seus visitantes. Nossa política de privacidade não se aplica a sites de clientes, caso visite outro site a partir do nosso, deverá ler sua própria politica de privacidade. Não nos responsabilizamos pela política de privacidade ou conteúdo presente nesses sites. Para maiores informações, entre em contato conosco.