• search
  • Entrar — Criar Conta

O prazer do texto

Filósofo francês discorre sobre dois regimes de leitura que contemplam a anedota e ignora os jogos de linguagem e a que recorre à superposição dos diversos níveis de significação.

*Roland Barthes

Não é o lugar mais erótico do corpo onde a roupa se abre? Na perversão (que é o regime do prazer textual) não existem “zonas erógenas” (expressão, por outro lado, bastante inoportuna); é a intermitência, como bem disse a psicanálise, que é erótica: a da pele que brilha entre duas peças (a calça e o pulôver), entre duas pontas (a camisa entreaberta, a luva e a manga); é esse brilho que seduz, ou melhor: a encenação de um aparecimento-desaparecimento.

Não se trata do prazer do strip-tease corporal ou do suspense narrativo. Em ambos os casos não há rasgo, não há arestas mas um desvelamento progressivo: toda a excitação refugia-se na esperança de ver o sexo (o sonho do escolar) ou de saber o fim do…. história (satisfação romântica). Paradoxalmente (na medida em que é para consumo em massa), é um prazer muito mais intelectual do que o outro: prazer edipiano (despir-se, saber, saber a origem e o fim) se é verdade que toda história (todo desvelamento da verdade) é uma encenação em cena do Pai (ausente, oculto ou hipostatizado), o que explicaria a solidariedade das formas narrativas, as estruturas familiares e as proibições da nudez – todas reunidas entre nós – no mito de Noé coberto por seus filhos.

Porém, a história mais clássica (um romance de Zola, de Balzac, de Dickens, de Tolstói) traz em si uma espécie de tmesis enfraquecida: não a lemos inteiramente com a mesma intensidade de leitura, estabelece-se um ritmo ousado que é não respeita a integridade do texto; a própria sede de conhecimento nos arrasta a sobrevoar ou cavalgar certas passagens (apresentadas como “enfadonhas”) para redescobrir o mais rápido possível os lugares ardentes da anedota (que são sempre suas articulações: o que avança no desvelamento do enigma ou do destino: saltamos impunemente (ninguém nos vê) as descrições, explicações, considerações, conversas; somos como um espectador de cabaré que, subindo ao palco, apressa o strip-tease da bailarina, tirando rapidamente os vestidos mas seguindo a ordem estabelecida, ou seja: respeitar por um lado e precipitar os episódios do rito por outro (como um padre que engole a sua massa).

A tmesis, fonte ou figura do prazer, enfrenta aqui dois limites prosaicos: opõe o que é útil para o conhecimento do segredo e o que não é; é uma fissura produzida por um simples princípio de funcionalidade, não ocorre na própria estrutura da linguagem, mas apenas no momento de seu consumo; o autor não pode prever: não pode querer escrever o que não será lido. E, no entanto, é o ritmo do que se lê e do que não se lê que constrói o prazer das grandes histórias: será que Proust alguma vez foi lido, Guerra e paz palavra por palavra? (O encanto de Proust: de uma leitura para outra as mesmas passagens não são saltadas.)

O que eu gosto em uma história não é diretamente seu conteúdo ou sua estrutura, mas sim as lágrimas que imponho em seu belo envelope: corro, pulo, levanto a cabeça e mergulho novamente. Nada a ver com o rasgo profundo que o texto da fruição imprime à própria linguagem e não à simples temporalidade da sua leitura.

Portanto, existem dois regimes de leitura: um vai diretamente às articulações da anedota, considera a extensão do texto, ignora os jogos de linguagem (se leio Júlio Verne vou rápido: perco a minha fala, mas a minha leitura não é fascinado por nenhuma  perda verbal, no sentido que esta palavra pode ter em espeleologia); A outra leitura não deixa nada: pesa o texto e, ligada a ele, lê, se assim for, com aplicação e com ardor, apanha em cada ponto do texto o asyndeton que corta as linguagens, e não a anedota: não é o extensão (lógica) que o cativa, o desfolhamento das verdades, mas sim a superposição dos níveis de significação; Como no jogo das mãos quentes, a excitação não vem de uma pressa em implorar, mas de uma espécie de estrondo vertical (a verticalidade da linguagem e sua destruição); é no momento em que cada mão (diferente) pula sobre a outra (e não uma  depois do outro) quando o buraco é produzido e arrasta o sujeito do jogo – o sujeito do texto. Mas, paradoxalmente (como a opinião acredita que basta ir rápido para não se aborrecer), essa segunda leitura aplicada (no sentido próprio), é a que mais convém ao texto moderno, o texto-limite. ‘ Leia devagar, leia  tudo  em um romance de Zola e o livro cairá de suas mãos; leia rapidamente, por citações, um texto moderno e esse texto torna-se opaco, impedido a seu bel-prazer: você quer que algo aconteça mas nada acontece porque o  que acontece com a linguagem não acontece com a fala: o que “acontece”, o que “vai embora”, a fissura das duas bordas, a lacuna do gozo, ocorre no volume das línguas, na enunciação e não na continuação dos enunciados: não devore, não engula, mas mastigue , desintegre-se completamente; Para ler os autores de hoje é preciso redescobrir o ócio das leituras antigas: ser leitores  aristocráticos .

[…]

O prazer será uma diversão reduzida? A diversão será um prazer intenso? O prazer será um prazer enfraquecido, aceito – e desviado por um escalonamento de reconciliações? O gozo será um prazer brutal e imediato (sem mediação)? A forma como iremos narrar a história da nossa modernidade depende da resposta (sim ou não). Porque se digo que entre o prazer e o gozo há apenas uma diferença de grau, também digo que a história foi pacificada: o texto do gozo não seria mais do que o desenvolvimento lógico, orgânico, histórico do texto do prazer, a vanguarda não é nunca mais do que a forma progressiva e emancipada da cultura do passado, o hoje emerge do ontem. Robbe-Grillet já está em Flaubert, Sollers em Rabelais, todos Nicolas de Stael em dois centímetros quadrados de Cézanne. Mas eu acredito, pelo contrário, eu e sua queda.

Roland Barthes
O prazer do texto
Foto: Roland Barthes

Política de Privacidade — Garantir a confidencialidade dos dados pessoais dos usuários é de alta importância para nós, todas as informações pessoais relativas a membros, assinantes, clientes ou visitantes que utilizam nossos sistemas serão tratadas em concordância com a Lei da Proteção de Dados Pessoais de 26 de Outubro de 1998 (Lei n.º 67/98). As informações pessoais recolhidas podem incluir nome, e-mail, telefone, endereço, data de nascimento e/ou outros. O uso de nossos sistemas pressupõe a aceitação deste Acordo de Privacidade. Reservamos o direito de alterar este acordo sem aviso prévio, por isso recomendamos que você verifique nossa política de privacidade regularmente para manter-se atualizado(a). Anúncios — Assim como outros sites, coletamos e utilizamos informações contidas em anúncios, como seu endereço de IP (Internet Protocol), seu ISP (Internet Service Provider), o navegador utilizado nas visitas a nossos sites (Chrome/Safari/Firefox), o tempo de visita e quais páginas foram visitadas. Sites de Clientes — Possuímos ligação direta com os sites de nossos clientes, os quais podem conter informações/ferramentas úteis para seus visitantes. Nossa política de privacidade não se aplica a sites de clientes, caso visite outro site a partir do nosso, deverá ler sua própria politica de privacidade. Não nos responsabilizamos pela política de privacidade ou conteúdo presente nesses sites. Para maiores informações, entre em contato conosco.