• search
  • Entrar — Criar Conta

O mestre do concreto

Em entrevista a Peter Laemmle, um dos maiores escritores de língua alemã confessa que sua percepção do concreto surgiu da leitura de uma obra de ficção aos sete anos de idade.

*Elias Canetti

[email protected]

PETER LAEMMLE: É surpreendente que os temas mais importantes do seu trabalho estejam enraizados em experiências de natureza autobiográfica. Massa e poder , o problema da morte, personagens, sátira – todas essas coisas estão relacionadas a experiências concretas que você provavelmente teve muito cedo. E toda a sua obra se distingue pela concreção de seus pontos de referência, seria possível qualificá-la como uma excursão ao concreto. Sabemos que você tem uma aversão especial ao pensamento abstrato, aos sistemas de pensamento. Eu teria interesse em saber de onde vem essa tendência inicial para a observação concreta, o que a facilitou, se ela veio a você por meio de sua família e com que experiências pessoais ela está relacionada.

ELIAS CANETTI: A primeira percepção do concreto surgiu com a leitura de Robinson Crusoe, aos sete anos de idade. Aquele homem solitário em uma ilha, que tem que reunir ou fazer para si tudo o que precisa para viver. O indivíduo é tão importante, tanto falta, tanto falta, que todos os detalhes necessários à vida contam. Desde então, o concreto nunca mais perdeu importância para mim. Por vezes ficou em segundo plano, no decorrer dos muitos processos de aprendizagem que constituem a juventude, mas foi logo reacendido por uma nova e decisiva intervenção. Talvez o impulso mais forte que recebi nessa direção foram as pinturas de Brueghel em Viena. Eu os conheci quando voltei a Viena com dezenove anos, e eles eram tão diferentes de todas as outras pinturas que eu tinha visto até então, que por um tempo ele ia ao Museu Kunsthistorisches todos os dias e passava horas e horas na frente deles. As inúmeras estatuetas em suas pinturas eram tão apreensivas quanto objetos. Sua variedade e riqueza eram tais que não se cansava de vê-los.

Brueghel era então para mim o mais importante dos pintores. E mais do que isso: ele se tornou o mestre do concreto. Ao mesmo tempo, tratava-se de reconhecer e ponderar assuntos. Um dos principais estímulos da Química, que eu estudava naquela época, é lidar com substâncias tangíveis. Ia para o laboratório todos os dias e passei o primeiro ano ocupado com análises qualitativas e o segundo com análises factuais. Não era muito longe da Faculdade de Química do Brueghel, ele ia vê-los sempre que podia, mesmo que fosse apenas uma hora. Desse modo, Fui exposto a duas influências muito diferentes que, no entanto, tiveram um impacto em mim ao mesmo tempo, e que podem ser entendidas como um exercício de concreto.

Em Brueghel, admirei a precisão da observação e tentei fazer o mesmo no círculo da minha própria vida. Mas não posso dizer que a minha tendência para a observação concreta, então sem dúvida reforçada então, tenha surgido naquele momento: já estava lá antes. Acho que foi por transferência para outros países, já na primeira infância.

Nunca estivemos mais do que alguns anos em uma cidade: seis anos na Bulgária, dois anos na Inglaterra, três em Viena, cinco em Zurique, três em Frankfurt … Novas línguas, novas escolas, novos colegas, novos professores … Impossível deixar de prestar atenção às diferenças entre velhas e novas experiências. Eu quase diria que isso era vital quando se tratava de novas línguas. A mudança frequente, as primeiras viagens, davam a sensação do linear, da coexistência de muitos objetos, criaturas e costumes, com direito a existir todos eles.

Tudo o que acabou cedo parecia-me uma limitação e um empobrecimento. Ler as viagens dos exploradores, uma verdadeira paixão, reforçou essa tendência para uma entrega plural ao mundo. Junto com minhas próprias experiências, sem dúvida já abundantes, e leituras, eu sabia que havia inúmeras outras coisas, e que também podiam ser vividas, ainda estavam esperando por mim. Seria impossível para mim fingir que ele não existia só porque eu ainda não o conhecia. O sentimento da multiplicidade do habitável, do caráter aberto do mundo, tornou-se tão forte que ele desconfiou de qualquer sistema fechado.

Conversas de Elias Canetti
com Peter Laemmle (1994)

Foto: Elias Canetti

Política de Privacidade — Garantir a confidencialidade dos dados pessoais dos usuários é de alta importância para nós, todas as informações pessoais relativas a membros, assinantes, clientes ou visitantes que utilizam nossos sistemas serão tratadas em concordância com a Lei da Proteção de Dados Pessoais de 26 de Outubro de 1998 (Lei n.º 67/98). As informações pessoais recolhidas podem incluir nome, e-mail, telefone, endereço, data de nascimento e/ou outros. O uso de nossos sistemas pressupõe a aceitação deste Acordo de Privacidade. Reservamos o direito de alterar este acordo sem aviso prévio, por isso recomendamos que você verifique nossa política de privacidade regularmente para manter-se atualizado(a). Anúncios — Assim como outros sites, coletamos e utilizamos informações contidas em anúncios, como seu endereço de IP (Internet Protocol), seu ISP (Internet Service Provider), o navegador utilizado nas visitas a nossos sites (Chrome/Safari/Firefox), o tempo de visita e quais páginas foram visitadas. Sites de Clientes — Possuímos ligação direta com os sites de nossos clientes, os quais podem conter informações/ferramentas úteis para seus visitantes. Nossa política de privacidade não se aplica a sites de clientes, caso visite outro site a partir do nosso, deverá ler sua própria politica de privacidade. Não nos responsabilizamos pela política de privacidade ou conteúdo presente nesses sites. Para maiores informações, entre em contato conosco.