• search
  • Entrar — Criar Conta

O inferno do mensageiro

Prêmio Nobel de Literatura, escritora, ensaísta e poetisa polonesa evoca um dos maiores memorialistas franceses que preferiu ser advogado a promotor em seu confinamento dourado na Corte de Versalhes.

*Wislawa Szymborska

Todo memorialista deixa em sua obra, para melhor ou para pior, desenhos das pessoas que conheceu e dois autorretratos. O primeiro, deliberadamente pintado; a segunda, não planejada, involuntária. Uma coisa é certa: o primeiro é sempre mais lucrativo do que o segundo, mas o segundo é mais confiável do que o primeiro. Quanto melhor o escritor, mais notável é essa diferença … O Duque de Saint-Simon não foi um anjo da justiça na corte de Versalhes, embora tenha presumido ser e dado a si mesmo. Ele foi incapaz de perdoar as fraquezas, os vícios, os erros ou a iniquidade de qualquer de seus contemporâneos; No entanto, ele mesmo nos permite vê-lo em situações em que ele inequivocamente conspira, maquinando, se pavoneando e arrastando, apunhalando pelas costas e tropeçando, ele se envolve em brigas por qualquer ninharia e infunde terror nas pessoas menos experientes. No entanto, preferia ser advogado a ser promotor em primeiro lugar. Afinal, ele nada mais era do que o produto de uma corte na qual não sabia como explorar a energia e o talento que reverberavam dentro dele.

Como se sabe, Luís XIV atraiu seus nobres sediciosos para uma jaula dourada. Governava apenas com a ajuda de alguns burocratas burgueses, enquanto criava para a nobreza cargos fictícios, títulos e inúmeros privilégios que nada tinham a ver com o cargo de governante e que não tinham qualquer tipo de responsabilidade. Foi uma grande manobra no curto prazo, mas no longo prazo acabou sendo fatal e muito prejudicial para sua amada monarquia. A nobreza desempregada começou a partir daquele momento a se destacar pelo absurdo de sua existência vazia. Saint-Simon percebeu as consequências nefastas dessa farsa, mas foi incapaz de evitar se tornar parte dela. Ele acabou fazendo o que todo mundo fazia, a mesma coisa que o fazia rir e o irritava: ele gritava e ficava quieto, ria e ficava quieto.

Certa vez, copiei uma das reflexões de La Bruyère: “O tribunal não dá satisfações e nos impede de encontrá-las em qualquer outro lugar …”. Pode ser perfeitamente a epígrafe dessas memórias. E talvez devêssemos olhar para este drama cômico de uma perspectiva diferente. Talvez certos personagens necessariamente requeiram vida na corte. Talvez Luís XIV fosse simplesmente um benfeitor para todos os frustrados, alguém que lhes dava a oportunidade de dar vazão a suas tristezas no horror das falsas ambições e na tortura do protocolo. Sempre há pessoas que só ficam felizes quando estão infelizes. Ou pode não ser nenhum deles. Vamos deixar Luís XIV em paz; afinal, não foi ele quem inventou o modo de vida da corte, apenas deu-lhe um aspecto original. Os tribunais existiram antes e depois dele; ainda existe e existirá no futuro.

Nem confinamos Saint-Simon, o esplêndido escritor, a uma única época, pois seu estudo abrange todos os períodos históricos e raças, governos e espécies, países e costumes. Pessoalmente, não acho que haja nenhum inferno além desta vida. Em vez disso, acredito que haja uma grande variedade de infernos que as pessoas criam para si mesmas ou para os outros. E é necessário que todos esses infernos sejam classificados de acordo com o modelo científico. autoatendimento . Está cheio de voluntários e cada um se encarrega de colocar lenha na sua própria fogueira.

Wislawa Szymborska
O inferno do cortesão
Nas memórias de Saint-Simon
Leituras não obrigatórias

Retrato de Louis de Rouvroy, Duque de Saint-Simon por
Perrine Viger-Duvigneau

Política de Privacidade — Garantir a confidencialidade dos dados pessoais dos usuários é de alta importância para nós, todas as informações pessoais relativas a membros, assinantes, clientes ou visitantes que utilizam nossos sistemas serão tratadas em concordância com a Lei da Proteção de Dados Pessoais de 26 de Outubro de 1998 (Lei n.º 67/98). As informações pessoais recolhidas podem incluir nome, e-mail, telefone, endereço, data de nascimento e/ou outros. O uso de nossos sistemas pressupõe a aceitação deste Acordo de Privacidade. Reservamos o direito de alterar este acordo sem aviso prévio, por isso recomendamos que você verifique nossa política de privacidade regularmente para manter-se atualizado(a). Anúncios — Assim como outros sites, coletamos e utilizamos informações contidas em anúncios, como seu endereço de IP (Internet Protocol), seu ISP (Internet Service Provider), o navegador utilizado nas visitas a nossos sites (Chrome/Safari/Firefox), o tempo de visita e quais páginas foram visitadas. Sites de Clientes — Possuímos ligação direta com os sites de nossos clientes, os quais podem conter informações/ferramentas úteis para seus visitantes. Nossa política de privacidade não se aplica a sites de clientes, caso visite outro site a partir do nosso, deverá ler sua própria politica de privacidade. Não nos responsabilizamos pela política de privacidade ou conteúdo presente nesses sites. Para maiores informações, entre em contato conosco.