• search
  • Entrar — Criar Conta

O homem mais feliz de Natal

Professor aposentado da UFRN, escritor e pintor de domingo, Carlos Roberto de Miranda Gomes é, como se dizia antigamente, um dos homens bons de Natal, cidade aonde viu a luz em 10 de setembro de 1939 pelas mãos da parteira Dona Adelaide, na residência de seus pais à Avenida Rio Branco, no clamor da 2ª guerra.

*Franklin Jorge

Sou um provinciano inveterado. Homem integralmente simples, inimigo da vaidade em todos os sentidos. Sou bom leitor. Dedicado inteiramente à família. Vivo da lembrança da minha saudosa esposa Therezinha que foi quem possibilitou todas as minhas vitórias e me deu alento às derrotas e a riqueza de quatro filhos, que se multiplicaram por muitos outros. Para ela dedico os últimos momentos da minha vida.

Seus pais, José Gomes da Costa, ele, magistrado, originário das terras de Taipu e D. Maria Ligia de Miranda, Senhora do lar, de ascendência aristocrática dos Albuquerque Maranhão e Miranda Henriques, dos quais herdei a lucidez interpretativa do Direito, amor à leitura, coragem de tomar decisões e a doçura, o carinho e o amor ao próximo, a pacificação e compreensão das pessoas de qualquer origem.

Leitor precoce, iniciou suas leituras com revistas em quadrinho (em particular a revista “Edições Maravilhosas”, que publicava em resumo e em quadrinhos, as grandes obras da literatura brasileira, por exemplo, O Moço Loiro, O Seminarista, O rio do quarto, a Pata da Gazela, O Guarani e muitos outros. (ainda guardo o que restou dessas revistas). Quando me impressionava com algumas dessas histórias eu pedia a papai para comprar o livro. Também no cumprimento dos deveres escolares (disciplina chamada dissertação e linguagem), comecei a escrever alguma coisa.

Posteriormente, com os primeiros namoricos, Miranda Gomes foi arriscando escrever poesias, geralmente de dor de cotovelo ou algo telúrico como também fiz artigos críticos sobre a conduta de pessoas que viviam ao meu redor. Quando entrei pesado nos livros passei a rabiscar resumos e comentários do que eu lia e, algum tempo depois, comecei a arriscar alguma coisa minha (composições). Nessa época eu recebi de presente o meu primeiro livro – Anos de Ternura, de A.J. Cronin e nunca mais parei de ler. Tenho uma boa biblioteca de autores nacionais, estrangeiros e, com carinho e orgulho, de autores potiguares.

Para ele, ler os inúmeros livros e textos de natureza técnica foram meios didáticos de melhor orientar seus alunos. No campo literário a publicação passou a ser uma recompensa apenas no campo intelectual e na satisfação pessoal de deixar registros de fatos e pessoas que se destacaram como exemplifico com os livros Testemunhos, em homenagem ao centenário de nascimento do Des. José Gomes da Costa – Ed. Sebo Vermelho – agosto 2002 (apoio da AMARN e IHGRN); Traços e Perfis da OAB/RN – Natal, Sebo Vermelho, 2008 e 2ª edição em 2017, pela OAB/RN; O Velho Imigrante (Il Vecchio Immigrante), Natal, Ed. Sebo Vermelho/Nave da Palavra (UBE/RN), julho 2012; Alberto Frederico de Albuquerque Maranhão, Patrono da Cadeira nº 2, da Academia Macaibense de Letras, Natal, outubro, 2012; Uma pequena história, Natal, 2013; Um Século de Vida (homenagem ao General Francisco Gomes da Costa), Natal, 2013; participação no livro Letras & Imagens do Bem. Natal; participação na Antologia sobre o Desembargador Floriano Cavalcanti de Albuquerque, de autoria de Marco Aurélio da Câmara Cavalcanti de Albuquerque. Natal, infinita imagem, 2013; participação na Coletânea Construtores da Ágora Soberana Potiguar – múltiplas memórias (Professores do Atheneu), Natal; Edições Infinitas Imagens, 2014; O menino do poema de concreto – memórias de Moacyr Gomes da Costa, Sebo Vermelho – Edições, 2014; romance Amor de Verão – Sebo Vermelho Edições, Natal/RN, 2016; 90 anos bem vividos (homenagem a Moacyr Gomes da Costa), Natal-RN, – Sebo Vermelho Edições, 2017. As Confrarias e o Tempo. Natal: Sebo Vermelho – Edições, 2018, PROMOVEC – uma bela história, Natal/Cotovelo verão 2018/2019, ed. OffSet Editora, janeiro de 2019. Dados biográficos em entrevista ao Programas Memória Viva – volume II, Natal, Ed. IHGRN/Offset, antologia organizada por Armando Holanda, Joventina Simões Oliveira e Vicente Serejo, 2020. Artigo especial em homenagem a Therezinha Rosso Gomes, Rev. Da ANRL, nº 65, out-dez, 2020. Amor de Outono, Natal, Sebo Vermelho-Edições, Natal – maio de 2021. Livro O Circo Vive, Natal – Sebo Vermelho Edições, julho 2021.

Tenho trabalhos a publicar: pequenos ensaios sobre a Casa do Estudante de Natal, A história do América Futebol Clube, sobre Tonheca Dantas, Patrono da Cadeira 33 da ANRL da qual sou titular e pesquisa sobre os bairros do Barro Vermelho e Alecrim e a Igreja de São Pedro.

Seus pais foram seus primeiros incentivadores. Sempre me apoiaram nos estudos e alguns poucos amigos acreditaram em algum talento que parecia possuir.

A literatura retrata a vida, a história os sentimentos do mundo, e isso será eterno.

Seu último livro publicado, lançado de maneira performática e jovial, versa sobre o universo do circo, que representa um dos seus momentos lúdicos, de alegria, sobretudo, mas também de história de pessoas, de dificuldades e de tragédias e isso sempre me atraiu, pois vivi momentos especiais no interior e adolescência, pois os circos eram armando defronte da minha casa na Rua Meira e Sá, no Barro Vermelho e, por isso, havia alguma convivência com os dirigentes e artistas.

São muitas e variadas as lembranças que Miranda Gomes guarda da infância itinerante, a saber: das apreensões de seus pais pela situação em que Natal se encontrava no correr da II guerra, com ameaças de ser invadida. Veículos militares passando na frente da nossa casa da Rua Felipe Camarão.

Em 1945 a família foi morar em Angicos onde seu pai foi ser Juiz e nosso entrevistado teve a oportunidade de conviver com a paisagem bucólica das regiões onde morou. Lá, o que me impressionava era um Seminário em frente à nossa casa e um descampado onde se via o cemitério, onde ocorriam rajadas de vento levantando uma poeira infernal (redemoinhos). Em seguida morei em Penha (hoje Canguaretama) onde via a condução do gado de máscara para o matadouro, que corriam desordenadamente colocando medo nas pessoas. As idas a cavalo esperar papai na estação de trem. Levar duas vacas leiteiras de papai (Cravo Branco e Barcaça) para tomar banho no rio. Os caranguejos entrando debaixo da cama (a casa era em frente ao Mercado). Do pé de genipapo que diziam ser mal assombrado e isso me metia medo. Das festas de padroeiro(a), pastoril e boi de reis, quando fazia reverência ao Juiz com uma rodada defronte de papai, aí era pra quebrar, cheguei a molhar as calças. Posteriormente fomos morar em Macaíba onde eu já dominava melhor as coisas da vida e vivi os melhores momentos do começo da minha puberdade.

Alguns fatos o marcaram: a esperando do gazeteiro, em frente ao mercado, que trazia revistas em quadrinhos, suas primeiras leituras; os jogos de futebol no campo vizinho ao cemitério – (eu torcia pelo Cruzeiro) e lembro-me do goleiro chamado Galamprão, que tinha mãos agigantadas e segurava a bola com a palma de uma delas. As festas do Pax Clube e os filmes no Cine Independência.

Voltei a morar em Natal em 1948 e somente a partir de então passei a estudar em escola regular (Instituto Batista de Natal). Antes tinha professoras particulares e perdi alguns anos quando papai era transferido no ano letivo, interrompendo os meus estudos. Nas passagens eventuais por Natal ficava na casa de vovô João Gomes e lá havia sempre uma atração, por ser quase uma granja e ter uns ferros que seguravam o telhado e os meninos apostavam quem subia mais ligeiro e não mais saí daqui, passando a ter uma vida mais amena, pois o desenvolvimento começava a existir na cidade.

Tive uma infância feliz com meus pais, irmãos e irmãs; primos e primas e alguns amigos e apesar das dificuldades financeiras de papai, tive liberdade de viver com alguma regalia. Frequentava os campos de futebol levado por ele; o circo; cinema, fazendo viagens de trem. Pratiquei as traquinagens comuns da minha idade; jogos de biloca, pião, peladas de futebol e banhos nos rios das cidades por onde passei.

Tive facilidade em me adaptar às mudanças que encontrava nas cidades nas quais morei, entre 1945 e 1948. Retornando a Natal as coisas se modificaram um pouco em razão das maiores opções de divertimentos – cinemas, festas da mocidade, programas de auditório de rádio (fui cantor, ganhei prêmios e gravei discos), escola regular, tomar bonde em movimento, passeios de bicicleta, maior quantidade de amigos, estudo na Escola de Música do maestro Waldermar de Almeida. A exploração das cercanias da cidade. Tomar banhos de mar e na “maré” com meus amigos mais próximos – Marcelo, Benivaldo, Lito, Paulo Araújo, Eider, Geraldo Tavares e outros. Os jogos de sinuca (escondido dos comissários de menores), preferencialmente à noite na rua Dr. Barata. Os carnavais, com um boné de Capitão de navio e um colar havaiano; depois brinquei três anos no bloco Deliciosos na Folia, também no bloco “Feras” de pré-universitários, os carnavais memoráveis do Aero, América, Assen e Brasil Clube.

A cidade oferecia muitos divertimentos – festas com rodas gigantes e outros apetrechos próprios dos parques de diversão; missas no domingo na Igreja de São Pedro; os passeios de barcos e ioles no rio Potengi, os maravilhosos veraneios (nove) na Redinha e o seu aconchegante Clube e a patota do vôlei, das serenatas e das peladas. Também os passeios de bicicleta em direção do rio doce para flagrar os casais; as pescarias. Os encontros com as meninas na Praça Pio X, antes da sessão das 14 horas; os seriados das sextas-feiras no Cine São Luiz no Alecrim; os famosos lanches; as compras que, desde os 12 anos fui encarregado de fazer no velho mercado da cidade alta e na feira do Alecrim; em todas as fases, o companheirismo com os colegas de colégio, de faculdade, de trabalho e da vida militar.

De sua já dilatada e fecunda existência, tem extraído todas as lições que se possa imaginar. Da convivência com pessoas de todas as idades, gêneros, etnia, grau de conhecimento e educação, sobretudo nos meus 40 anos de magistério, reuniu um cabedal de prudência, tolerância, compreensão e experiência. E de uma vida familiar intensa, uma esposa dedicada e filhos maravilhosos, com as ressalvas obvias das ausências, sou um homem feliz.

Política de Privacidade — Garantir a confidencialidade dos dados pessoais dos usuários é de alta importância para nós, todas as informações pessoais relativas a membros, assinantes, clientes ou visitantes que utilizam nossos sistemas serão tratadas em concordância com a Lei da Proteção de Dados Pessoais de 26 de Outubro de 1998 (Lei n.º 67/98). As informações pessoais recolhidas podem incluir nome, e-mail, telefone, endereço, data de nascimento e/ou outros. O uso de nossos sistemas pressupõe a aceitação deste Acordo de Privacidade. Reservamos o direito de alterar este acordo sem aviso prévio, por isso recomendamos que você verifique nossa política de privacidade regularmente para manter-se atualizado(a). Anúncios — Assim como outros sites, coletamos e utilizamos informações contidas em anúncios, como seu endereço de IP (Internet Protocol), seu ISP (Internet Service Provider), o navegador utilizado nas visitas a nossos sites (Chrome/Safari/Firefox), o tempo de visita e quais páginas foram visitadas. Sites de Clientes — Possuímos ligação direta com os sites de nossos clientes, os quais podem conter informações/ferramentas úteis para seus visitantes. Nossa política de privacidade não se aplica a sites de clientes, caso visite outro site a partir do nosso, deverá ler sua própria politica de privacidade. Não nos responsabilizamos pela política de privacidade ou conteúdo presente nesses sites. Para maiores informações, entre em contato conosco.