• search
  • Entrar — Criar Conta

O ar que se respira

Museu alemão exibe importante coleção pertencente ao diplomata brasileiro Francisco Chagas Freitas, que reuniu obras de artistas da antiga República Democrática Alemã que viveram grande parte de suas vidas segregados pelo regime comunista.

*Franklin Jorge

[email protected]

Durante mais de uma década como integrante do nosso corpo diplomático em Berlim, o acreano Francisco Chagas Freitas colecionou mais de 1.200 obras produzidas por uma plêiade de artistas vítimas do socialismo implantado no lado Oriental da Alemanha até a queda do muro que reunificou o país dividido pelo regime soviético. Para reservar e gerir o acervo excepcional foi criado um Instituto em Brasília, o Ipac.

As obras expostas resultam de uma seleção feita pela diretora do Museu de Arte Moderna de Cottbus, em Brandemburgo, Ulrike Kremeier, que veio a Brasília para selecionar as obras expostas. Essa mostra dá a medida de grandeza da arte produzida por artistas da antiga República Democrática Alemã, que, em verdade, nada tinha de democrática… A curadoria é da brasileira Tereza de Arruda [que aparece  que na foto em frente ao museu].

Um dos atrativos, além do talento dos artistas, era o preço das obras, quase uma insignificância. Como o resto da população a maioria dos artistas vivia em um estado crônico de penúria, sem mercado e sem perspectivas de libertação do jugo de Moscou e de seus critérios estéticos restritivos e em desacordo com o espirito libertário que geralmente orienta os genuínos criadores de obras significativas. Uma coisa, como me disse certa vez o grande poeta e escritor Walmir Ayala, é reverenciar Jesus Cristo; outra, submeter-se ao culto de personalidades stalinistas. Logo Chagas Freitas se tornou um importante colecionador e amigo desse grupo de artistas que se tornaria, alguns anos depois, representativo da arte alemã contemporânea.

Embora a Coleção Francisco Chagas Freitas tenha inspirado a produção de documentários e livros, até recentemente as obras que constituem seu hoje valioso acervo jamais havia sido exposto em sua totalidade, como faz agora o Museu de Arte Moderna de Cottbus, em Brandemburgo, tem despertado o interesse do público e da crítica.

Por sua sensibilidade e argúcia, expressas em seu apoio a artistas espoliados pelo comunismo, Francisco Chagas Freitas tornou-se uma referencia na cultura da Alemanha reunificada. Seu nome passa a fazer parte da história da arte em um país rico de valores.

Tereza de Arruda

Política de Privacidade — Garantir a confidencialidade dos dados pessoais dos usuários é de alta importância para nós, todas as informações pessoais relativas a membros, assinantes, clientes ou visitantes que utilizam nossos sistemas serão tratadas em concordância com a Lei da Proteção de Dados Pessoais de 26 de Outubro de 1998 (Lei n.º 67/98). As informações pessoais recolhidas podem incluir nome, e-mail, telefone, endereço, data de nascimento e/ou outros. O uso de nossos sistemas pressupõe a aceitação deste Acordo de Privacidade. Reservamos o direito de alterar este acordo sem aviso prévio, por isso recomendamos que você verifique nossa política de privacidade regularmente para manter-se atualizado(a). Anúncios — Assim como outros sites, coletamos e utilizamos informações contidas em anúncios, como seu endereço de IP (Internet Protocol), seu ISP (Internet Service Provider), o navegador utilizado nas visitas a nossos sites (Chrome/Safari/Firefox), o tempo de visita e quais páginas foram visitadas. Sites de Clientes — Possuímos ligação direta com os sites de nossos clientes, os quais podem conter informações/ferramentas úteis para seus visitantes. Nossa política de privacidade não se aplica a sites de clientes, caso visite outro site a partir do nosso, deverá ler sua própria politica de privacidade. Não nos responsabilizamos pela política de privacidade ou conteúdo presente nesses sites. Para maiores informações, entre em contato conosco.