• search
  • Entrar — Criar Conta

Liberais e conservadores amordaçados

Colaborador de Navegos reflete sobre a Educação em um país do futuro encravado no passado e no atraso.

*Alex Pipkin, PhD

[email protected]

 

A estrutura basilar que suporta uma sociedade educada, civilizada, culta, verdadeiramente progressista, e econômica e socialmente desenvolvida é a educação. Não deveria haver dúvidas.

Nesta base, semeiam-se as ideias que serão as políticas de amanhã.

Pragmaticamente falando, uma grande maioria de países logrou sair da armadilha da renda baixa e média-baixa, no exato momento em que investiu na transformação efetiva na educação, e em todos os seus níveis. A Coreia do Sul é um exemplo clássico.

Não parece existir possibilidade lógica de alcançarmos desenvolvimento econômico e social sem a discussão profusa e o alcance de aderência aos princípios seculares que conduzem as nações ao aumento de produtividade e as inovações no modo de pensar, e de fazer mais, melhor, mais rápido, com menores custos e, principalmente, pela descoberta e materialização de novas formas de produzir e ofertar produtos, serviços e experiências inovadoras com utilidade.

Recursos herdados de Deus e da natureza são importantes, porém esses encolhem ou extinguem-se. Mais fundamental ainda são os recursos e as capacidades que são criadas pelo talento e pela engenhosidade das ideias e do esforço inovador humano.

Tomando-se o segmento da educação universitária, toda vez que aludo a questão do fosso das ideias coletivistas e contraprodutivas que estamos submetidos, pela abissal ditadura do pensamento esquerdizante, surgem vozes de “especialistas” e outros entendidos em distintas áreas do conhecimento, a fim de alertarem-me de que “talvez eu esteja exagerando”.

Sorte que sou avalizado por vários Maracanãs lotados, de professores que confirmam – e sofrem – dessa mesma percepção minha.

Não me deixo abalar pelos “da casa”, visto que minha própria experiência de 30 anos no ensino universitário, e em formações em cursos de mestrado e de doutorado, ensinaram-me que a jovem e a velha elite educacional “progressista” é imune e intolerante as ideias e aos objetivos dissonantes de suas convicções bondosas, equivocadas, e acima de tudo, quiméricas.

O ataque ao pensamento amplo e à liberdade de expressão daqueles que pensam distintamente desses, dá-se em todas as áreas do conhecimento, inclusive na minha área, em gestão e negócios.

Todos aqueles que têm convicção, estudo e conhecimento das ideias comprovadas que movem o mundo para frente, e se opõem aos falsos progressismos da turma de justiceiros sociais da bolha do “tudo é permitido”, mais cedo ou mais tarde serão calados, isolados e afastados do doce e quente mar vermelho dos iguais.

Fique “tranquilo”, não se trata de uma questão de conhecimento e de experiências acadêmicas e de mercado robustas, é a singela rixa de não pertencer ao clube inglês da igualdade e do pensamento mágico, ideologizado e improdutivo.

Não tenho os fatos e os dados “científicos” no Brasil, mas pesquisas nos Estados Unidos apontam que a desproporcionalidade de “progressistas justos” versus conservadores e liberais é de 32 vermelhos e rosados para cada conservador/liberal.

Não há como promover uma mudança transformacional com desequilíbrio tão abusado.

Os conservadores foram e continuarão sendo exorcizados dos ambientes acadêmicos.

A pureza e o romantismo dos “bondosos de Iphone”, transformam-se em fúria quando seu “esprit de corps” é confrontado pelos pensamentos divergentes e, especialmente, quando esses são embasados no conhecimento, na lógica e nas experiências comprovadamente bem-sucedidas.

Como não miro possibilidades de alteração deste triste panorama no curto e no médio prazos, sou pessimista quanto ao nosso futuro; na verdade um realista lógico.

A universidade, que significa totalidade, deveria ser um espaço de pensamento e estudo desta totalidade, não um confortável lugar dos iguais para fazer aquilo que sabem: doutrinar.

A universidade tem se constituído numa vasta plantação das sementes do rancor e da discórdia, por sua predisposição ao coletivismo que logicamente conduz à demagogia e a uma intolerância que se transforma numa fobia da liberdade de pensamento e do próprio mundo.

Atualmente, os alunos são “ensinados” a serem exploradores de caverna de suas próprias identidades, o que retira-lhes toda a curiosidade e as possibilidades do mundo que existe fora de suas cabeças.

Enfim, meu realismo tem sido inócuo, porque a doença no afrodisíaco paraíso universitário se alastra: a hipertrofia ingênua da personalidade de jovens idealistas e inexperientes se agiganta com o “moderníssimo” fenômeno da retração intelectual.

E o país? A gente vê depois…

 

Afinal, somos o país do futuro – que nunca chega!

Política de Privacidade — Garantir a confidencialidade dos dados pessoais dos usuários é de alta importância para nós, todas as informações pessoais relativas a membros, assinantes, clientes ou visitantes que utilizam nossos sistemas serão tratadas em concordância com a Lei da Proteção de Dados Pessoais de 26 de Outubro de 1998 (Lei n.º 67/98). As informações pessoais recolhidas podem incluir nome, e-mail, telefone, endereço, data de nascimento e/ou outros. O uso de nossos sistemas pressupõe a aceitação deste Acordo de Privacidade. Reservamos o direito de alterar este acordo sem aviso prévio, por isso recomendamos que você verifique nossa política de privacidade regularmente para manter-se atualizado(a). Anúncios — Assim como outros sites, coletamos e utilizamos informações contidas em anúncios, como seu endereço de IP (Internet Protocol), seu ISP (Internet Service Provider), o navegador utilizado nas visitas a nossos sites (Chrome/Safari/Firefox), o tempo de visita e quais páginas foram visitadas. Sites de Clientes — Possuímos ligação direta com os sites de nossos clientes, os quais podem conter informações/ferramentas úteis para seus visitantes. Nossa política de privacidade não se aplica a sites de clientes, caso visite outro site a partir do nosso, deverá ler sua própria politica de privacidade. Não nos responsabilizamos pela política de privacidade ou conteúdo presente nesses sites. Para maiores informações, entre em contato conosco.