• search
  • Entrar — Criar Conta

Lembranças de um encontro

Fundador de Navegos escreve sobre a passagem do poeta Thiago de Mello que em setembro de 1992 foi a Rio Branco para prestigiar a passagem de seus 40 anos, quando faz uma revelação surpreendente e, sem aviso prévio, leva-o numa surpreendente visita ao prefeito Jorge Kalume.

*Franklin Jorge

[email protected]

Quando completei 40 anos, estava Thiago comigo no Acre. Dirigia então, naquele setembro de 1992, o Complexo de Comunicação O Rio Branco, integrado por um jornal diário e uma emissora de TV, e, sabedor de que alguém tomara a iniciativa de articular uma lista para arrecadar fundos para um presente dos funcionários, proibi terminantemente quaisquer outras manifestações nesse sentido.

Mesmo assim, temendo uma comemoração à revelia, aceitei a sugestão de um amigo de, após encerrar meu expediente que começava cedo e terminava tarde, refugiar-me em sua casa, para evitar alguma surpresa. Fomos, Thiago e eu, a pé, conversando até a casa de Rociberg Leandro, onde planejara ficar algumas horas conversando e bebericando alguns uísques, como seria do agrado do poeta deixara Barreirinha, no Baixo Amazonas, para fazer-me companhia dessa data única.

Quarenta anos!, exclamou abruptamente Thiago. Uma idade extraordinária para o homem que, a partir dessa cifra passará a viver plenamente a experiencia.  A partir de agora, meu amigo, coisas extraordinárias lhe acontecerão…Como o que, quis saber um tanto surpreso e desconcertado com a veemência com que me afirmava tal coisa. Saiba que, amanhã mesmo você passará a se sentir um outro homem. Para começo de conversa, você se conscientizara que né feito de órgãos. Logo, a primeira coisa que vai sentir será uma dor lancinante nos testículos. E, num curto lapso de tempo, descobrirá que tem um nariz… Você sentirá uma dor na ponta do nariz. Sentirá que tem unhas… Acredite no Caboclo Thiago. Mas, releve tudo isto, porque este é o preço que se paga por alcançarmos os 40 anos.

Juntos, visitamos Mario Diogo que eu já entrevistara, escritor regionalista e político resignado à solidão e ao aconchego da família, que nos recebeu, como se dizia antigamente, de maneira calorosa e fidalga. Muito aprendi nesse encontro sobre a cultura amazônica e as misérias da política.

Por duas ou três vezes, durante essa sua passagem pela cidade, passamos algumas horas na companhia do maior escritor e artista plástico do Acre, Hélio Melo, homem simples que nasceu e cresceu num seringal, em convívio com um pajé que lhe ensinara os mistérios da fauna e da flora, dos rios e da noite que é domínio dos pagãos. Hélio Melo a quem ambos a admirávamos, por seu gênio, talento e humildade, a ganhar a vida como vigia noturno de uma escola, em reconhecimento ao seu importante e originalíssimo legado em palavras e formas de grande carisma.

Uma tarde, passeando pelo Centro de Rio Branco, após visitarmos as barrancas do rio Acre, no Segundo Distrito, onde, no Hotel Madrid, morara meu conterrâneo do Ceará-Mirim, Juvenal Antunes, uma de suas admirações que partilhávamos com Armando Nogueira e Oto Lara Resende. De repente me vi entrando no prédio da Prefeitura. Pensei que íamos em busca da Academia Acreana de Letras, instalada em suas dependências. Mas, não. Thiago arrastou-me ate o gabinete do prefeito e sem se fazer anunciar, muito senhor de si, abriu a porta e ali entramos para a minha surpresa e a do prefeito, Jorge Kalume, criador, quando senador, do Estado do Acre e dele o seu primeiro governador. Thiago de Melo, exclamou o prefeito. Quanta honra! E, olhando-me com atenção, reportou-se a Thiago amavelmente. Apresente-me seu amigo. Que faz aqui? E Thiago, de pronto: Soube que você anda dizendo que, no dia que encontrar o Diretor Geral do Complexo de Comunicação O Rio Branco, vai dar-lhe umas chicotadas porque ele tem criticado sua maneira de apoiar a cultura do Acre. Assim, para facilitar o seu esforço, tomei a liberdade de trazê-lo ao seu gabinete…

Kalume empalideceu. Gaguejou alguma coisa. Atribuiu o boato a bajuladores ou desafetos que gostariam de ver o circo pegar fogo. E, voltando-se para a sua mesa de trabalho, Thiago pegou nas mãos o famoso chicote do gaúcho Plácido de Castro, conquistador do Acre.” É com esse chicote que você quer chicotear o Diretor d´O Rio Branco…?”

Política de Privacidade — Garantir a confidencialidade dos dados pessoais dos usuários é de alta importância para nós, todas as informações pessoais relativas a membros, assinantes, clientes ou visitantes que utilizam nossos sistemas serão tratadas em concordância com a Lei da Proteção de Dados Pessoais de 26 de Outubro de 1998 (Lei n.º 67/98). As informações pessoais recolhidas podem incluir nome, e-mail, telefone, endereço, data de nascimento e/ou outros. O uso de nossos sistemas pressupõe a aceitação deste Acordo de Privacidade. Reservamos o direito de alterar este acordo sem aviso prévio, por isso recomendamos que você verifique nossa política de privacidade regularmente para manter-se atualizado(a). Anúncios — Assim como outros sites, coletamos e utilizamos informações contidas em anúncios, como seu endereço de IP (Internet Protocol), seu ISP (Internet Service Provider), o navegador utilizado nas visitas a nossos sites (Chrome/Safari/Firefox), o tempo de visita e quais páginas foram visitadas. Sites de Clientes — Possuímos ligação direta com os sites de nossos clientes, os quais podem conter informações/ferramentas úteis para seus visitantes. Nossa política de privacidade não se aplica a sites de clientes, caso visite outro site a partir do nosso, deverá ler sua própria politica de privacidade. Não nos responsabilizamos pela política de privacidade ou conteúdo presente nesses sites. Para maiores informações, entre em contato conosco.