• search
  • Entrar — Criar Conta

Júlio Soares e sua verve

Poeta, compositor e boêmio empedernido, passou pela vida esbanjando talento. De família abastada, viveu vivendo o momento, até a sua morte no Ceará, em estado lamentável.

*Franklin Jorge

Boêmio impenitente, o poeta Júlio Soares marcou uma época no Açu. Nascido em 1898, numa família abastada e amante da música, morreu em Fortaleza em 1954. Todos os seus irmãos e irmãs tocavam um instrumento. Sua participação nas serenatas era indispensável. Também tinha vocação para o teatro, tendo se apresentado em diversas peças que granjearam para si uma certa notoriedade como ator.

Ainda muito moço vendeu a um irmão o seu direito à herança paterna, numa antecipação a uma vida de dispersão e esbanjamento não apenas dos recursos materiais, mas do próprio talento que desapareceu com ele em condições de extrema penúria.

Em sua mocidade, graças a uma substanciosa mesada paterna, viveu vários anos no Rio de Janeiro, a capital do País, onde conheceu e se relacionou com artistas famosos, como Vicente Celestino, chegando mesmo a gozar de algum prestigio em meio a boemia carioca, por sua verve e prodigalidade que mantinha a família em estado de alerta.

Autor inspirado pela circunstância, não chegou a publicar nenhum livro nem registrou as músicas que compôs, especialmente, quando vivia no Rio. Consta que muitas dessas composições ele as vendeu a outros músicos, renunciando à autoria como era costume na época, sobretudo para financiar suas incríveis bebedeiras.

Versejando com espontaneidade e verve, produziu além da lírica, numerosas poesias fesceninas, entre as quais um soneto célebre através do qual defendeu com muita picardia a superioridade da xoxota da mulher negra sobre a das brancarronas insípidas, que considerava desenxabidas e sem fôlego nos embates sexuais.

Mestre da sátira, ao voltar para o Açu, desentendeu-se com o prefeito Francisco Amorim – Chisquito para os seus conterrâneos – e o caricaturizou impiedosamente em versos cheios de vitríolo. Vale recordá-los:

 

O prefeito do Açu é um ser descrente.

                       Um ser satânico, mordaz e desleal.

                       Uma figura cômica de circo,

                       Um sagaz jogador profissional.

 

                       Nada fez nem fará por nossa terra,

                        Esse tipo indolente, irresoluto,

                        Cuja língua babosa, suja, lambe

                        Continuamente a bunda de um charuto.

Salvo seja.

 

 

Política de Privacidade — Garantir a confidencialidade dos dados pessoais dos usuários é de alta importância para nós, todas as informações pessoais relativas a membros, assinantes, clientes ou visitantes que utilizam nossos sistemas serão tratadas em concordância com a Lei da Proteção de Dados Pessoais de 26 de Outubro de 1998 (Lei n.º 67/98). As informações pessoais recolhidas podem incluir nome, e-mail, telefone, endereço, data de nascimento e/ou outros. O uso de nossos sistemas pressupõe a aceitação deste Acordo de Privacidade. Reservamos o direito de alterar este acordo sem aviso prévio, por isso recomendamos que você verifique nossa política de privacidade regularmente para manter-se atualizado(a). Anúncios — Assim como outros sites, coletamos e utilizamos informações contidas em anúncios, como seu endereço de IP (Internet Protocol), seu ISP (Internet Service Provider), o navegador utilizado nas visitas a nossos sites (Chrome/Safari/Firefox), o tempo de visita e quais páginas foram visitadas. Sites de Clientes — Possuímos ligação direta com os sites de nossos clientes, os quais podem conter informações/ferramentas úteis para seus visitantes. Nossa política de privacidade não se aplica a sites de clientes, caso visite outro site a partir do nosso, deverá ler sua própria politica de privacidade. Não nos responsabilizamos pela política de privacidade ou conteúdo presente nesses sites. Para maiores informações, entre em contato conosco.