• search
  • Entrar — Criar Conta

Fim de semana com Clarice

Colaborador de Navegos descreve o seu encontro com a autora de Perto do coração selvagem em evento patrocinado pelo Instituto Moreira Sales.

*Napoleão Veras*

A luz da constelação *Clarice* — que não cessa — esparge seus raios translúcidos sobre nós. Das paredes do Instituto Moreira Sales/SP caem anotações de frases ou pensamentos avulsos que entraram ou não para seus romances, contos, crônicas, artigos — retirados de blocos, cadernetas, guardanapos —, onde ela tentou apreender o instante, a inspiração fugaz, o lampejo, o corpo de ideias ou parte delas, tal fazemos hoje no bloco de notas do smartphone.

Letra vacilante, nervosa, seria entediada?, mas de sentido lancinante, inaugural, ângulo inusitado de enxergar o mundo, o entorno, na direção  do imprevisível.

“É curiosa a sensação de escrever. Não penso no leitor nem em mim. Nessa hora sou as palavras propriamente ditas.”

“Entre as marteladas eu ouvia o silêncio.”
“Senti-me como uma galinha perdida no trânsito.”

“A música deste livro é ‘Rapsódia com Clarinete e Orquestra’, de Debussy. E agora… agora vou começar.”

“A natureza é envolvente: ela me enovela toda e é sexualmente viva. Não ter nascido bicho é uma minha secreta nostalgia. Não humanizo bicho porque é ofensa. Há que respeitar-lhe a natureza; eu é que me animalizo.”

“Como se antes eu estivesse estado com o paladar viciado por sal e açúcar, e com a alma viciada por alegrias e dores — e nunca tivesse sentido o gosto primeiro. E agora sentia o gosto do nada.”

A percepção pontiaguda da brasileira/ucraniana atinge limiares improváveis, de tal modo que, depois de constatá-los nos resta a humildade de aceitar as nossas limitações. A artista escreve com todo o corpo. Como um saxofonista, bandoneonista, ou trompetista enrolado ao próprio instrumento, a romancista colhe a _Lettera 82_ no colo e assim datilografa suas obras experimentando a percussão e sentimentos das teclas no próprio corpo. Parece ensejar a interação universal de tudo que esteja longe ou perto, ou oculto, no macro ou microcosmo, ou o que seria importante ou mesmo desimportante ao processo criativo.

O certo é que o trivial não lhe faz vizinhança. Nem tudo que escreve é do conhecimento de todos. É como se um mundo linguístico próprio, singularíssimo, estivesse sendo parido continuamente no bojo do seu processo inventivo. Coisa de *criadores* — de que nos fala Ezra Pound. Algo que se nota em poucos autores, como em Guimarães Rosa, James Joyce, Juan Rulfo. Ou em Picasso e Joan Miró nas artes plásticas, assim como em Antoni Gaudí na escultura e arquitetura.

Alguém afirmou que a literatura de Clarice L. transita sobre o raro. Em parte. A respeito, discorre o catalão Enrique Vila-Matas: “Se um escritor não é raro, o que é? Melhor seria que fosse raríssimo.”

Na sala ao lado, imagens, fotos, edições de sua obra traduzida para vários idiomas, entrevistas a jornais como ao ‘Pasquim’ na década de 70, retrato seu pintado por De Chirico, discos e compositores que embalaram  sua literatura -Chopin e Debussy-, e o famoso  vídeo de uma entrevista concedida já para seu fim: expressão de enfado, respostas vagas, por vezes monossilábicas, sem interesse algum em ser simpática, talvez até de saco cheio em ser Clarice Lispector.

O sotaque estrangeiro como tatuagem, mesmo tendo chegado ao Brasil aos dois anos de idade. Os olhos de fenda oblíqua e as maçãs do rosto salientes seriam suficientes para conferir-lhe certidão de imigrante, de mulher exótica com irresistível sex apeal, ou as três juntas.

Sua literatura inqualificável não se passa, a rigor, em lugar algum. Assenta-se no ser humano, na intimidade e profundeza desse, levando o leitor à epifanias – apreensão da essência do discutido. Se o conteúdo lhe é essencialmente intimista, a forma é metalinguistica — discussão sobre os passos daquele fazer literário, bem visível em ‘A Hora da Estrela’.

Clarice Lispector foi escolhida pela crítica literária americana uma das maiores escritoras do século XX.

Política de Privacidade — Garantir a confidencialidade dos dados pessoais dos usuários é de alta importância para nós, todas as informações pessoais relativas a membros, assinantes, clientes ou visitantes que utilizam nossos sistemas serão tratadas em concordância com a Lei da Proteção de Dados Pessoais de 26 de Outubro de 1998 (Lei n.º 67/98). As informações pessoais recolhidas podem incluir nome, e-mail, telefone, endereço, data de nascimento e/ou outros. O uso de nossos sistemas pressupõe a aceitação deste Acordo de Privacidade. Reservamos o direito de alterar este acordo sem aviso prévio, por isso recomendamos que você verifique nossa política de privacidade regularmente para manter-se atualizado(a). Anúncios — Assim como outros sites, coletamos e utilizamos informações contidas em anúncios, como seu endereço de IP (Internet Protocol), seu ISP (Internet Service Provider), o navegador utilizado nas visitas a nossos sites (Chrome/Safari/Firefox), o tempo de visita e quais páginas foram visitadas. Sites de Clientes — Possuímos ligação direta com os sites de nossos clientes, os quais podem conter informações/ferramentas úteis para seus visitantes. Nossa política de privacidade não se aplica a sites de clientes, caso visite outro site a partir do nosso, deverá ler sua própria politica de privacidade. Não nos responsabilizamos pela política de privacidade ou conteúdo presente nesses sites. Para maiores informações, entre em contato conosco.