• search
  • Entrar — Criar Conta

Conversa de quem vai navegando*

Colaborador de Navegos resgata e publica a primeira das cinco crônicas escritas pelo poeta Thiago de Mello, entre maio e junho de 1955, na coluna Contraponto que então assinava no jornal O Globo, do Rio de Janeiro.

*Thiago de Mello

– Quando esta crônica estiver impressa, circulando, através dos exemplares de O GLOBO, por esta cidade de São Sebastião, estarei viajando. Mas dessa vez não de bonde, pelas ruas deste distrito que, conforme os intuitos de Dr. João, muito em breve não mais será federal. Não. Estarei viajando pelo oceano, a bordo do “Santa Maria”, a caminho do Recife, de onde – naturalmente, após o abraço em Mauro Mota, em mestre Gilberto Freyre, em Olivio Montenegro e outros bons e pernambucanos amigos – seguirei de automóvel, ao lado de meu compadre Odilon, para João Pessoa, distinta capital da Paraíba, segundo costuma dizer certa senhora ali nascida, com um tom que pode ser de pilheria mas também parece, ás vezes, ser um derramamento de saudade e de bem-querer à terra natal (onde ela não vai faz um bocado de anos) – coisa natural e até bonita, mais bonita ainda com aquele adjetivo, que ela foi buscar não sei onde, e que dá uma delicadeza à expressão, quase doçura – distinta capital da Paraíba – talvez porque em voz doce de mulher, não sei.

Sei que vou para João Pessoa, onde ficarei o tempo que as nuvens deixarem. As nuvens, o mar, os verdes, o canavial, o azul do céu do Nordeste, o rio Paraibano (irmão do outro, grandão e fundo, que escorre lá para as bandas do Norte), os caranguejos, os coqueiros, a água de um côco adormecido no sereno, os caminhos no chão, a fala dos homens, as grandes sombras nos engenhos antigos, as moças de cabelos lisos, indo e vindo na calçada do entardecer, o trabalho nas usinas, o açucar preto, os violeiros, tristíssimos, de repente cantando, as flores da beira de estrada, os grandes galopes pelos ermos da madrugada, as janelas da casa-grande abertas para a solidão, o antigamente, o nunca mais; todas essas coisas e ainda mais o silêncio, o sono, a cisma – o “cismar sozinho à noite” de que fala o grande Gonçalves – governarão os meus dias, os meus desejos, quem sabe o meu coração.

Contarei coisas de lá. Da viagem também. Das gaivotas desvairadas no meio do mar, do firmamento à meia-noite, sem terra na redondezas; das moças talvez debruçadas na amurada, o perfil sereno e suave, talvez pelo tombadilho avançando, vestidas de azul-claro, bem claro. Contarei do que me for dado ver e ouvir, e ter e amar. Mas não é tudo, é claro. Guardarei um pouco para relembrar, sozinho, quando a velhice chegar. Adeus.

* “Contraponto” – O GLOBO (quinta-feira, 19/5/1955)

NOTA DA REDAÇÃO:

Com esta coluna inicia-se a transcrição da série de cinco artigos do poeta amazonense acerca da estadia nordestina entre a última semana de maio e a primeira de junho, entre Recife, João Pessoa, Ceará-Mirim e Natal, cujos detalhes iniciais foram alvo de artigo inédito em postagem anterior. Os personagens reais citados, escritores, podem ser pesquisados pelo leitor pela internet. Desnecessário explicar e detalhar sobre gente importante e famosa no meio literário.

Há um detalhe interessante no texto do conhecido literato. Ele deixa transparecer, na época, que eram favas contadas a construção da então futura e nova capital federal no Planalto Central. Brasília já era promessa de campanha do presidente eleito em outubro daquele mesmo ano, o ex-governador mineiro Juscelinno Kubitschek de Oliveira. O potiguar João Fernandes Café Filho assumira em agosto do ano anterior com o suicídio do presidente Getúlio Dorneles Vargas.

Política de Privacidade — Garantir a confidencialidade dos dados pessoais dos usuários é de alta importância para nós, todas as informações pessoais relativas a membros, assinantes, clientes ou visitantes que utilizam nossos sistemas serão tratadas em concordância com a Lei da Proteção de Dados Pessoais de 26 de Outubro de 1998 (Lei n.º 67/98). As informações pessoais recolhidas podem incluir nome, e-mail, telefone, endereço, data de nascimento e/ou outros. O uso de nossos sistemas pressupõe a aceitação deste Acordo de Privacidade. Reservamos o direito de alterar este acordo sem aviso prévio, por isso recomendamos que você verifique nossa política de privacidade regularmente para manter-se atualizado(a). Anúncios — Assim como outros sites, coletamos e utilizamos informações contidas em anúncios, como seu endereço de IP (Internet Protocol), seu ISP (Internet Service Provider), o navegador utilizado nas visitas a nossos sites (Chrome/Safari/Firefox), o tempo de visita e quais páginas foram visitadas. Sites de Clientes — Possuímos ligação direta com os sites de nossos clientes, os quais podem conter informações/ferramentas úteis para seus visitantes. Nossa política de privacidade não se aplica a sites de clientes, caso visite outro site a partir do nosso, deverá ler sua própria politica de privacidade. Não nos responsabilizamos pela política de privacidade ou conteúdo presente nesses sites. Para maiores informações, entre em contato conosco.