• search
  • Entrar — Criar Conta

Adaptando um romance para o cinema

Em entrevista ao Nobel colombiano Gabriel Garcia Márquez o maior diretor do cinema japonês explica que adaptar obras literárias para o cinema requer um idioma próprio, pois a câmera tem uma maneira particular de ler.

*Akira Korosawa

[email protected]

MÁRQUEZ: Você seguiu esse método intuitivo quando adaptou Shakespeare, Gorky ou Dostoiévski?

KUROSAWA: Alguns diretores acreditam que não há grandes dificuldades em transformar imagens literárias em imagens cinematográficas. Vou dar um exemplo: ao adaptar um romance policial no qual um corpo é encontrado nos trilhos do trem, um jovem diretor insistiu que a localização exata do assassinato correspondia perfeitamente à descrição do livro. “Você está errado”, eu disse, “o problema é que você leu o livro, não há nada de especial neste lugar.” O jovem realizador foi cativado pela magia do romance sem perceber que as imagens cinematográficas devem ser expressas de outra forma.

MÁRQUEZ:  Você se lembra de uma imagem da vida real que você considera impossível de fazer em filme?

KUROSAWA: Sim. Aquele em uma cidade mineira chamada Ilidachi, onde trabalhei como assistente de direção quando era muito jovem. O diretor havia declarado, com um único olhar, que o ambiente estava magnífico, estranho, por isso deveríamos filmar ali. As imagens mostravam apenas uma cidade mineira dilapidada, mas faltava algo que sabíamos: as condições de trabalho eram perigosas e as mulheres e filhos dos mineiros viviam com medo da sua insegurança. Quando você olha para a cidade, a paisagem se confunde com aquela sensação e o que se percebe é como ela realmente é estranha. Mas a câmera não o vê com os mesmos olhos.

MÁRQUEZ:  A verdade é que conheço pouquíssimos romancistas que se contentam com as adaptações de seus livros ao cinema. Que experiência você tem com suas adaptações?

KUROSAWA: Deixe-me primeiro fazer uma pergunta, você viu meu filme Barbarossa ?

MÁRQUEZ:  Já vi seis vezes nos últimos vinte anos e falei para meus filhos, quase que diariamente, até que eles pudessem ver. Não é só aquele que, de todos os seus filmes, eu e minha família mais gostamos, mas também um dos meus preferidos na história do cinema.

KUROSAWA: Barbarossa constitui um ponto de referência na minha evolução. Todos os filmes que o precedem são diferentes. Foi o fim de uma etapa e o início de outra.

MÁRQUEZ:  Isso é óbvio. Além disso, há duas cenas intimamente relacionadas com a totalidade de sua obra e que são inesquecíveis: uma é a do louva-a-deus e a outra, a luta de caratê no pátio do hospital.

KUROSAWA: Sim, mas o que eu queria dizer a você é que o autor, Shuguro Yamamoto, sempre se opôs a seus romances serem transformados em filmes. Ele abriu uma exceção para Redbeard porque eu persisti impiedosamente, teimosamente, até que ele concordou. Quando ele terminou de assistir ao filme, ele se virou, olhou para mim e disse: “Bem, é mais interessante do que o meu romance.”

MÁRQUEZ:  Por que gostou tanto?

KUROSAWA: Porque ele tinha uma consciência clara das peculiaridades inerentes ao cinema. A única coisa que ele me pediu foi para ter cuidado com a protagonista, uma mulher completamente fracassada, como ele a percebia. O engraçado é que essa imagem de uma mulher fracassada não está explícita no romance.

MÁRQUEZ:  Talvez ele pensasse que era. Algo que acontece com frequência conosco, romancistas.

KUROSAWA: Isso mesmo. Assistindo a alguns dos filmes baseados em seus livros, algum escritor disse: “Essa parte do meu romance está bem feita.” E eles estavam se referindo a algo adicionado pelo diretor. Sei que o disseram porque viram com clareza, expresso na tela pela aguçada intuição do realizador, algo que queriam ter escrito, mas não tinham podido fazer.

Entrevista de Gabriel García Márquez com Akira Kurosawa, 1991

Foto de Akira Kurosawa

Política de Privacidade — Garantir a confidencialidade dos dados pessoais dos usuários é de alta importância para nós, todas as informações pessoais relativas a membros, assinantes, clientes ou visitantes que utilizam nossos sistemas serão tratadas em concordância com a Lei da Proteção de Dados Pessoais de 26 de Outubro de 1998 (Lei n.º 67/98). As informações pessoais recolhidas podem incluir nome, e-mail, telefone, endereço, data de nascimento e/ou outros. O uso de nossos sistemas pressupõe a aceitação deste Acordo de Privacidade. Reservamos o direito de alterar este acordo sem aviso prévio, por isso recomendamos que você verifique nossa política de privacidade regularmente para manter-se atualizado(a). Anúncios — Assim como outros sites, coletamos e utilizamos informações contidas em anúncios, como seu endereço de IP (Internet Protocol), seu ISP (Internet Service Provider), o navegador utilizado nas visitas a nossos sites (Chrome/Safari/Firefox), o tempo de visita e quais páginas foram visitadas. Sites de Clientes — Possuímos ligação direta com os sites de nossos clientes, os quais podem conter informações/ferramentas úteis para seus visitantes. Nossa política de privacidade não se aplica a sites de clientes, caso visite outro site a partir do nosso, deverá ler sua própria politica de privacidade. Não nos responsabilizamos pela política de privacidade ou conteúdo presente nesses sites. Para maiores informações, entre em contato conosco.