• search
  • Entrar — Criar Conta

Academia de celebridades rastaqueras

Ancoradouro de vaidades provincianas, sob a presidência perpétua do ex-reitor e poetastro Diógenes da Cunha Lima Academia Norte-riograndense de Letras tornou-se, nos meios culturais jovens de Natal, uma piada pronta.

*Franklin Jorge

A epidemia de inclusão de que adoece a sociedade se reflete de maneira perniciosa sobre as antes respeitáveis academias de letras. Hoje, qualquer arruado ou vila têm seu sodalício nos quais vicejam, como ervas daninhas, pseudoliteratos, a maioria, como o novo-rico Monsieur Jourdan, célebre personagem da peça de Molière que somente por acaso descobriu a existência dos gêneros poético e prosístico, e que, durante toda a sua existência, falara em prosa e não sabia!

A Academia Norte-riograndense de Letras está na vanguarda desse modismo e já se arvora em rival da própria Academia Brasileira de Letras. Ambas cortejam, não o talento e o mérito ou a contribuição à cultura literária, mas celebridades e subcelebridades, elegendo para seus parnasos socialites e vaidosos endinheirados que contratam terceiros para produzir a própria obra, como Diógenes da Cunha Lima, Valério Mesquita, ambos imoirtais, e Isaura Amélia Rosado, useiros e vezeiros nesse expediente. Todos eles montados na grana, – o Diógenes na grana privada e a perereca mossoroense na grana pública- Ambos costumam recorrer aos préstimos de escribas de aluguel para firmar a obra que vendem como se da própria autoria fosse.

Mas, falando do diabo, lembrei-me que em 2013, no encerramento do Dia da Poesia em 12 de maio, que se notabilizou no gênero como o mais importante evento jamais chancelado no âmbito da Fundação José Augusto até então, ela me propôs, de maneira indecente e rosadista, publicarmos juntos, como autores, um livro documental sobre esse Dia extraordinário  que se tornou um grande acontecimento e contou com a presença do poeta Thiago de Melo como carro-chefe, apresentado na Pinacoteca do Estado que fundei em 1983 e que, naquele ano, 2013, eu dirigia pela segunda vez.

Essa senhora de triste figura, que parece pertencer à família das pererecas – se as pererecas pintassem os cabelos de fogo e frequentassem salas de bate-papos para adultos-, diante de minha surpresa com tal proposta de tão descarada ao saber que ela tinha a veleidade de passar por autora, explicou-me com o seu jeito rosadista de ser que eu escreveria o livro e ela digitaria o texto, esporte que costuma praticar à noite quando não estava na blogosfera. Esta seria, em sua cândida explicação, toda a sua contribuição como co-autora. Que essa parceria seria boa para ela e para mim e que, como secretaria extraordinária da cultura, usaria a verba pública para publicar o livro numa edição de luxo, de capa dura, para causar a inveja dos escritores autênticos. Respondi-lhe que não cultivava o hábito de passar pelo que não sou. Que, bem ou mal, sou autor de meus próprios pensamentos e que somente seria co-autor, como já o fui com a escritora Leila Míccolis, se pudesse contar com o concurso de um autor de talento e cultura, como esses dos quais valorizo a convivência. Ela ficou de cara mexendo enterrada na lama…

Mas, voltando à academia que se perdeu rumo à luz, enceguecida pela vaidade e a ostentação, cada uma que cultive seus ridículos, como a do Assú, a Brasileira, a de Natal, a de Mossoró, a de Macaíba, a de Campos dos Goytacazes e, para não deixa-la de fora desse pastoril provinciano, a de Ceará-Mirim, que ainda se dá ao desplante de ostentar o nome de seu fundador. Assim, nesses colegiados poucos são aqueles que ostentam o capelo da imortalidade que dispõem minimamente do mérito necessário para posar de autores. A maioria – e as exceções se tornam cada vez mais raras – não tem no “culo” – como costumam dizer popularmente os espanhóis – o que um periquito roa.

FOTO A bela fachada da Academia Norte-riograndense de Letras, construída sob a presidência do escritor Manoel Rodrigues de Melo.

Política de Privacidade — Garantir a confidencialidade dos dados pessoais dos usuários é de alta importância para nós, todas as informações pessoais relativas a membros, assinantes, clientes ou visitantes que utilizam nossos sistemas serão tratadas em concordância com a Lei da Proteção de Dados Pessoais de 26 de Outubro de 1998 (Lei n.º 67/98). As informações pessoais recolhidas podem incluir nome, e-mail, telefone, endereço, data de nascimento e/ou outros. O uso de nossos sistemas pressupõe a aceitação deste Acordo de Privacidade. Reservamos o direito de alterar este acordo sem aviso prévio, por isso recomendamos que você verifique nossa política de privacidade regularmente para manter-se atualizado(a). Anúncios — Assim como outros sites, coletamos e utilizamos informações contidas em anúncios, como seu endereço de IP (Internet Protocol), seu ISP (Internet Service Provider), o navegador utilizado nas visitas a nossos sites (Chrome/Safari/Firefox), o tempo de visita e quais páginas foram visitadas. Sites de Clientes — Possuímos ligação direta com os sites de nossos clientes, os quais podem conter informações/ferramentas úteis para seus visitantes. Nossa política de privacidade não se aplica a sites de clientes, caso visite outro site a partir do nosso, deverá ler sua própria politica de privacidade. Não nos responsabilizamos pela política de privacidade ou conteúdo presente nesses sites. Para maiores informações, entre em contato conosco.