• search
  • Entrar — Criar Conta

A curiosidade inquieta de Montaigne

Autor de O imoralista enfatiza quanto somos devedores do autor dos Ensaios, obra na qual não há nenhuma palavra inútil, pois Montaigne se preocupa em vincular a ideia de prudência, justiça e cultura à sua declaração de amor pela vida. 

*André Gide

[email protected]

Estamos sempre em dívida com Montaigne; como ele fala de tudo sem ordem ou método, cada um pode extrair dos Ensaios tudo o que ele quiser, o que muitas vezes é o que outra pessoa desprezou. Não há autor mais fácil de apropriar-se, sem precisamente um ser acusado de o trair, porque dá o exemplo e se contradiz e se trai constantemente. “Na verdade, e não tenho medo de confessar, em caso de necessidade levaria facilmente uma vela a São Miguel, outra à sua serpente” (Livro III, I). Algo que, com certeza, a cobra pode gostar mais do que São Miguel. Além disso, Montaigne não é muito querido pelos partidários, de quem também não gosta muito. Isso explica por que ele não gozou de muito favor após sua morte, pelo menos em uma França fortemente dividida pelos partidos. De 1595 (lembre-se de que ele morreu em 1592) a 1635, houve apenas três ou quatro novas edições dos Ensaios. Foi no exterior, na Itália, na Espanha e especialmente na Inglaterra, que Montaigne logo se tornou popular durante aquela época de desfavor ou semi-favorecimento na França. Encontramos na obra de Bacon e de Shakespeare traços inegáveis ​​da influência dos Ensaios.

Ao se afastar do cristianismo, ele está se aproximando de Goethe com antecedência. “Para mim, então, eu amo a vida e cultivo-a como aprouve a Deus conceder-nos. A natureza é um guia doce, mas não mais doce do que prudente e justo” (Livro III, XIII). Essas frases, que são quase as últimas dos Ensaios, poderiam, sem dúvida, ter sido endossados ​​por Goethe voluntariamente mais tarde. É aqui que leva a sabedoria de Montaigne. Nenhuma palavra é inútil; e Montaigne preocupa-se em vincular a ideia de prudência, justiça e cultura à sua declaração de amor pela vida. […]

Esta rara e extraordinária propensão, de que nos fala muitas vezes, de escutar e mesmo adotar a opinião alheia, até que esta prevaleça sobre a sua, o impede de se aventurar por um caminho que mais tarde será o de Nietzsche. Ele também é mantido por uma prudência natural da qual, para sua salvaguarda, ele não se separa voluntariamente. Ele teme as regiões desérticas e aquelas em que o ar é muito rarefeito. Mas uma curiosidade inquieta o estimula e, no campo das ideias, não pára, como nas suas viagens. A secretária que o acompanhou escreveu um diário de viagem. “Nunca o vi menos cansado”, leremos nele, “nem menos reclamando das suas dores [na altura sofria de cálculos urinários, o que não o impedia de ficar horas a cavalo], com o seu espírito, ambos nas estradas e nas pousadas, tão interessado no que encontrou, e procurando todas as ocasiões para conversar com estrangeiros, que eu acho que estava enganando seu mal. ” Declarou que não tinha “outro projeto senão caminhar por lugares desconhecidos” e, mais tarde, “seu prazer era tão grande em viajar que odiava aproximar-se do lugar onde tinha que descansar”. E também “dizia que, depois de passar uma noite agitada quando pela manhã se lembrava que precisava conhecer uma nova cidade ou região, acordou com desejo e alegria”.

Ele mesmo escreve depois de passar uma noite agitada quando pela manhã lembrou que precisava conhecer uma nova cidade ou região, acordou com desejo e alegria ”. Ele mesmo escreve no Depois de passar uma noite agitada quando pela manhã lembrou que precisava conhecer uma nova cidade ou região, acordou com desejo e alegria”. Ele mesmo escreve nos Ensaios: “Sei muito bem que, ao pé da letra, que o prazer de viajar é um testemunho de inquietação e indecisão. Na verdade, eles são nossos mestres e qualidades predominantes. Sim, confesso, não vejo nada, só em sonho e por desejo, onde possa me pegar; só a variedade me satisfaz, e a posse da diversidade” (Livro III, IX).

Montaigne estava com quase 50 anos quando empreendeu a primeira e única grande viagem de sua vida, ao sul da Alemanha e à Itália. A viagem durou dezessete meses; e certamente teria durado muito mais, dado o extremo prazer que produziu, se a inesperada eleição para o prefeito de Bordéus não o tivesse chamado logo para a França. A partir desse momento, transferiu para as suas ideias aquela curiosidade corajosa que o lançou para as estradas.

André Gide
Prólogo dos Ensaios de Montaigne

Imagem: mapa da Viagem à Itália por Michel de Montaigne 1580-1581

Política de Privacidade — Garantir a confidencialidade dos dados pessoais dos usuários é de alta importância para nós, todas as informações pessoais relativas a membros, assinantes, clientes ou visitantes que utilizam nossos sistemas serão tratadas em concordância com a Lei da Proteção de Dados Pessoais de 26 de Outubro de 1998 (Lei n.º 67/98). As informações pessoais recolhidas podem incluir nome, e-mail, telefone, endereço, data de nascimento e/ou outros. O uso de nossos sistemas pressupõe a aceitação deste Acordo de Privacidade. Reservamos o direito de alterar este acordo sem aviso prévio, por isso recomendamos que você verifique nossa política de privacidade regularmente para manter-se atualizado(a). Anúncios — Assim como outros sites, coletamos e utilizamos informações contidas em anúncios, como seu endereço de IP (Internet Protocol), seu ISP (Internet Service Provider), o navegador utilizado nas visitas a nossos sites (Chrome/Safari/Firefox), o tempo de visita e quais páginas foram visitadas. Sites de Clientes — Possuímos ligação direta com os sites de nossos clientes, os quais podem conter informações/ferramentas úteis para seus visitantes. Nossa política de privacidade não se aplica a sites de clientes, caso visite outro site a partir do nosso, deverá ler sua própria politica de privacidade. Não nos responsabilizamos pela política de privacidade ou conteúdo presente nesses sites. Para maiores informações, entre em contato conosco.